Quando

Quando estou desligado
num papel de rascunho,
caneta em punho,
é teu nome que escrevo
distraidamente…

Quando cantarolo uma canção,
cujo a letra esqueço,
outros versos invento
e o teu nome murmuro
delicadamente….

Quando acordo a noite
no meio da madrugada
e te vejo deitada
os teus cabelos eu cheiro
suavemente….

Tudo me leva a crer
que eu só consigo viver
se a tenho por perto.
Tudo me lembra você
só me resta torcer
para que sempre dê certo

Bom dia

O que te mantem tão dispersa,
Tão centrada e inquieta
Que não olhas para mim?
O que tanto te incomoda,
Te alerta e te transforma
Que não sobra tempo para mim?

Queria estar na canção que tanto ouves,
No compartimento que nunca coube
Nossos corpos ao mesmo tempo.
Quero estar em ti a todo instante,
Riso frouxo, olhar radiante
Morar em teus pensamentos.

Ah se fosse tudo tão diferente,
Se você me olhasse atentamente
A ponto de me descobrir em ti.
Eu surgiria de trás das sombras,
E o meu amor avançando em ondas
Cairia manso a te cobrir.

Queria tanto falar contigo,
E te mostrar o quanto eu preciso
Fazer parte da tua história.
Mas tenho medo que a música cesse,
Que a solidão, para mim, regresse
E tu me apagues da memória.