Meu anjo

Um anjo de luz me abraçou!
Aceitei, pois estava ferida.
Sem permissão me beijou,
Sua essência transbordou.
Naquele dia conheci o amor
Minha dor se calou, o senti.
Minha alma se alegrou,
Despiu-me sem permissão.
Hoje, sinto sua presença
Chega sem que eu perceba,
Em minha poesia, ou crença.
Meu anjo, onde moras!?
Coração incauto implora,
Traz-me magia na poesia…!

Insano amor

.

Como o tempo passou, meu amor…
Tudo se encaixou, cessou a dor
Mas todo sentimento aqui ficou
Não existe amanhã, apenas talvez.

Foi um passado de tanta agonia
Brigas sem razão, nos esquecemos
do mais belo sentimento, aquele
que se fazia morada no coração.

Hoje, ao findar da tarde me lembrei
Lembrei -me das tardes de amor,
onde nossos corpos perdiam a razão.

Mesmo depois de anos, reconheço
ainda sou a mesma, louca d’amor,
trêmula e desejosa. Insano amor…!

Sem título

Este aroma de café que acabou de ser feito
É o tom perfeito para recordações.
É de boas lembranças que eu sobrevivo,
Sem nenhum aviso e muitos arranhões.
.
De alma escancarada e tanta palidez,
Me recordo da vez que descobri seu sorriso.
Aquela troca de olhar e a conversa fiada,
Fui feliz na piada e tirei seu vestido.
.
O toque na pele e a sua boca molhada,
Não queria mais nada além do momento.
E de tanta paixão eu cheguei a supor,
Seria isso o amor ou brincadeira do tempo?
.
E esse sol escaldante que anuncia o verão,
nossas roupas no chão e o seu corpo perfeito.
Faço promessas que jamais cumprirei,

Sou um fora da lei, sou um pobre sujeito.