II Concurso de Trovas Cidade de Curitiba

Âmbito Nacional/Internacional
Tema: Inclusão Social
Categoria: Veterano

TROVAS DESTAQUE

Quando o amor for um preceito,
e a justiça nossa escola,
pobre terá por direito
tudo que tem por esmola.
Francisco Gabriel – (Natal – RN)

Os surdos-mudos se empenham
e conversando são sábios,
quando a sua voz desenham,
fazendo das mãos seus lábios.
Messias da Rocha – (Juiz de Fora – MG)

A liberdade germina
quando um povo pulsa e anseia,
qual semente pequenina
que rasga o solo e se alteia!
Carolina Ramos – (Santos – SP)

CLASSIFICAÇÃO GERAL

1º Lugar: Mário Moura Marinho – Sorriso – MT
Crianças que, sem suporte,
nas ruas dormem no chão,
não são vítimas da sorte,
mas da falta de inclusão.

2º Lugar: Marília Oliveira – Porto Alegre – RS
Um gesto, um olhar sem pressa,
uma escuta à dor do irmão…
A inclusão sempre começa
quando alguém estende a mão.

3º Lugar: Arlindo Tadeu Hagen – Juiz de Fora – MG
O mundo mais fraternal
também será mais risonho
quando a inclusão social
for real em vez de sonho!

3º Lugar: Professor Garcia – Caicó – RN
Enquanto há mãos escondidas,
fechadas entre os irmãos…
Há muitas mãos excluídas
à procura de outras mãos!

4º Lugar: Marília Oliveira – Porto Alegre – RS
Inclusão é humanidade,
sem rótulos, sem sentenças,
sempre que entende a igualdade
no respeito às diferenças.

5º Lugar: Edweine L. da Silva – Saitama – Japão
Nem bandidos nem mocinhos…
Somente há faces de um mal
onde se fecham caminhos
para a inclusão social.

6º Lugar: Carlos Alberto A . Cavalcanti – Arcoverde – PE
Quantos nas mãos têm de tudo,
mas lhes falta uma lição:
dar voz àquele que, mudo,
excluído estende a mão!

6º Lugar: Jaqueline Machado – Cachoeira do Sul – RS
Sem a inclusão social,
a injustiça faz saber:
– Se não parecer “normal”,
perde o direito a viver!

7º Lugar: Elias Pescador – São Paulo – SP
Sociedades inclusivas
têm na justiça o penhor.
Pacíficas, construtivas,
promovem paz, vida… amor!

8º Lugar: Francisco Gabriel – Natal – RN
A fome da humanidade
cessará sem ter demora,
se repartimos metade
do pão que jogamos fora.

9º Lugar: BESSANT – Pindamonhangaba – SP
Pedinte, mão estendida,
onde a igualdade se ausenta,
vive a vida sem ter vida,
só de sonhos se alimenta.

9º Lugar: Geraldo Trombin -Americana – SP
Mais que acessibilidade,
pede o cadeirante, em vão:
ter acesso de verdade
ao íngreme coração!

9º Lugar: Olga Maria Dias Ferreira – Pelotas – RS
Belo sonho assaz fecundo,
toda inclusão social
desperta o anseio do mundo
pela paz universal.

10º Lugar: Mário Moura Marinho – Sorriso – MT
Para inclusão social…
há de ver, a humanidade,
este marco principal:
respeito à diversidade.

10º Lugar: Roberto Tchepelentyky- São Paulo – SP
Por inclusão social,
que o mundo faça vigília:
Somos irmãos… e, afinal,
formamos uma família!…

11º Lugar: Professor Garcia – Caicó -RN
Ergue o braço, estende a mão
e acolhe os mais oprimidos,
que Deus inclui, na inclusão,
quem acolhe os excluídos!

12º Lugar: BESSANT – Pindamonhangaba – SP
“Cuidai dos meus pequeninos!”
Não há rogo mais profundo…
E o maior dos desatinos
é condená-los ao mundo.

13º Lugar: Therezinha D. Brisolla – São Paulo – SP
Sem preconceitos e ofensas,
sem pensamentos menores,
aceitar as diferenças
faz que sejamos melhores!

14º Lugar: Márcia Jaber – Juiz de Fora – MG
Estendo as mãos comovida,
buscando incluir a quem
sem ter chance nesta vida,
da exclusão se faz refém.

Categoria: Novo Trovador

1º Lugar: José Carlos de Souza – Amparo – SP
Quando a Inclusão Social
for de fato um fato novo,
teremos bem menos mal
e um maior bem para o povo!

2º Lugar: Juarez F. Moreira da Silva – Rio das Ostras – RJ
Se todos fossem iguais,
como a lei nos insinua,
não haveria jamais,
tantos mendigos na rua.

3º Lugar: Maria Cristina de Oliveira – Campinas – SP
Para ser considerada
como inclusão social,
não pode ser tolerada
qualquer forma desigual.

4º Lugar: Nilze L. dos S. Benedicto – São Gonçalo – RJ
O apartheid está presente,
sem inclusão social.
O sistema então consente.
Quem é excluído afinal?

Âmbito Estadual

Tema: Cidadania
Categoria: Veterano

1º Lugar: Pedro Melo – União da Vitória
Quando tu passas, tão fria,
é imenso o meu dissabor:
– Não tenho cidadania
no País do teu Amor…!

2º Lugar: Pedro Melo – União da Vitória
“Cidadão”. Palavra morta
e vazia de sentido,
num país que não se importa
com quem vive desvalido…

3º Lugar: César Augusto Ribas Sovinski – Curitiba

Tece, a artesã solidária,
com seus novelos de lã,
a oferenda humanitária
de uma vida cidadã.

4º Lugar: Madalena Ferrante Pizzatto – Curitiba
Ao pensar na humanidade,
cidadania se exerce,
estimulando a igualdade,
sendo a justiça o alicerce.

5º Lugar: Maria Helena O. Costa – Ponta Grossa
Cidadania eu almejo
para as crianças de rua,
às quais é negado o ensejo
de saber que a Pátria é sua!

5º Lugar: Célia Terezinha Neves Vieira – Irati
Educação é o escudo
para ter cidadania…
defendendo-te de tudo,
inclusive … a tirania.

6º Lugar: Nilsa Alves de Melo – Maringá

Teus direitos e deveres
estejam em harmonia,
para com honra exerceres
a tua cidadania.

7º Lugar: Luiz Hélio Friedrich – Curitiba
Pensar a cidadania,
melhor projeto não há:
-Esquecer ideologia
e elevar o IDH!

8º Lugar: Célia Terezinha Neves Vieira – Irati
Para ser bom cidadão
e exercer cidadania,
Ponha na mesa o seu pão…
Trabalhe no dia a dia…

9º Lugar: Caterina Balsano Gaioski – Irati
Ter pão, paz e liberdade,
educação sempre em dia,
trabalho com dignidade,
resume a cidadania.

10º Lugar: Leonilda Yvonneti Spina – Londrina
Tratar sempre o semelhante
com respeito e fidalguia
é uma forma edificante
de exercer cidadania.

10º Lugar:  Luiz Vieira – Irati
Quem vive na integridade…
luta pelo bem… não teme.
Defende sempre a verdade,
cidadania é seu leme.

11º Lugar:  Luiz Hélio Friedrich -Curitiba
Onde anda a cidadania
que prega a Constituição,
se ao pobre, no dia a dia,
à mesa lhe falta o pão?!

12º Lugar: Maria Helena O. Costa- Ponta Grossa
Um cidadão exaltado…
E, sob o brilho da lua,
vejo um menino deitado
no triste leito da rua!…

12º Lugar: Madalena Ferrante Pizzatto – Curitiba
Neste sistema tão falho,
se a injustiça nos oprime,
sem ter acesso ao trabalho,
aumenta-se a fome e o crime.

13º Lugar: Rosilene Tramontin – Ponta Grossa
Àquele que ama a Nação
luta pela liberdade,
de seguir na direção
e no bem da sociedade.

13º Lugar: Alfredina C. Pascholatti – Londrina
Limpos devem ser os mares;
nas escolas o respeito.
Educação vem dos lares.
Cidadania é um direito.
14º Lugar: Lucrecia Welter Ribeiro – Toledo
Os direitos e deveres
Imprimem cidadania;
Todos dois têm seus haveres
Na ordem de cada dia.

Âmbito Estadual

Tema: Cidadania
Categoria: Novo Trovador

1º Lugar: Dionezine de F. Navarro – Ponta Grossa
Criança, no sinaleiro,
pede pão em agonia.
A fome é o seu cativeiro…
Onde está a cidadania?

2º Lugar: Ana Welter – Toledo
Cidadania é direito,
faço dela o meu servir.
Tem como base o respeito
ontem, hoje e no porvir.

2º Lugar: Albano Bracht – Toledo
Um sistema de igualdade
não tem meia teoria.
Inclusão e liberdade…
Ou não é democracia.

3º Lugar: Jeferson Luiz Cadamuro Nunes – Maringá
Se a um só… falta saúde,
escola, teto, alimento,
nos cabe ser atitude,
abraço, inclusão, alento.

4º Lugar: Maria Eunice Silva de Lacerda – Toledo
Meus direitos, meus deveres,
estão na Constituição.
São tantos meus afazeres!
Cidadania em ação.

5º Lugar: Maria Eunice Silva de Lacerda – Toledo
Cidadania, é direito,
é dever do cidadão.
Cumprir tudo de bom jeito,
honrando sempre a Nação

Fonte: Livreto do Concurso, disponível para download no Facebook UBT Seção Curitiba.

IX Concurso Internacional de Trovas OMT Estados Unidos

Tema: AMIZADE
VETERANOS

1º Lugar
Sempre certa em hora incerta,
a fraternal amizade,
é casa de porta aberta
em noite de tempestade.
Dulcídio de Barros Moreira Sobrinho – Juiz de Fora/MG

2º Lugar
Meus  amigos,  sou  bem  franco,
como  é  bom  ter  nesta  vida,
mesmo  em  mundo  em  preto   e  branco,
a  amizade  colorida !!!
Antonio Colavite Filho – Santos/SP

3º Lugar
Ao saber que por fracassos
vivemos ao rés do solo,
a amizade abre os seus braços
e nos carrega no colo.
Maurício Cavalheiro – Pindamonhangaba/SP

4º Lugar
Amizade é uma conduta,
às vezes, firme e calada,
no gesto de quem te escuta,
te empresta um ombro, e mais nada.
Marília Oliveira – Porto Alegre/RS

5º Lugar 
Todo aquele que é cercado
de amizades verdadeiras
tem o visto carimbado
para um mundo sem fronteiras!
Renata Paccola – São Paulo/SP

MENÇÃO HONROSA

1º Lugar
Ah! Seria mesmo incrível
se fosse assim a amizade:
produto não perecível,
sem data de validade!
Geraldo Trombin –    São Paulo/SP

2º Lugar
Nossa paixão quase trágica,
foi a amizade quem fez…
paixão que, perdendo a mágica,
fez-se amizade outra vez.
Francisco Gabriel Ribeiro – Natal/RN

3º Lugar
Aos  amigos  de  verdade,
de  coração  agradeço,
pois  a  sincera  amizade
é  um  amor  que  não  tem  preço!
Edna Gallo – Santos/SP

4º Lugar
Nesse abraço, cativante,
minha mente me afiança,
que amizade é semelhante
ao amor de uma criança.
Ari Santos de Campos –  Balneário Camboriú/SC

5º lugar
Do amigo espero a verdade,
mútua confiança, sem medo;
que o segredo da amizade
é amizade sem segredo!
A. A. de Assis – Maringá/PR

MENÇÃO ESPECIAL

1º Lugar
Naqueles momentos quando
tudo soa indiferente,
amizade é Deus mandando
alguém pra cuidar da gente.
Manoel Cavalcante – Pau dos Ferros/RN

2º Lugar
Toda amizade conforta:
dá leveza em qualquer hora.
E sempre nos abre a porta,
não tem fim…nem vai embora!
Maria Dulce de Lima Pessoa – Tabira/PE

3º Lugar
A amizade é tecelã
de amor, respeito, aliança;
ela tece no amanhã
o fio da confiança…
Cristina Cacossi – Bragança Paulista/SP

4º Lugar
Amor que não conseguiu
transformar-se em amizade
depois que a paixão ruiu,
não foi amor de verdade.
Massilon Ferreira da Silva – Aracaju/SE

5º Lugar
Amizade é a força atenta,
que nos ama e nos cativa:
Na queda, é a mão que sustenta;
na glória, é a mão que incentiva!
Mara Melinni Garcia – Caicó/RN

NOVOS TROVADORES

1º Lugar
Amizade é um sentimento
de inestimável valor,
pois no meu entendimento,
amizade é quase amor.
Suely Ribella – Santos/SP

2º Lugar
O valor de uma amizade
não se pode calcular,
um amigo de verdade
ninguém consegue comprar!
Aurineide Alencar de Freitas Oliveira – Dourados/MS

3º Lugar
Tempos de calamidade,
tudo lembra escuridão.​
Grandeza de  uma amizade​
ilumina o coração.
 Agnes Izumi Nagashima –  Londrina/PR

4º Lugar
“Amizade não tem preço”
diz o dito popular.
Tem mais valor, esclareço,
que o próprio familiar.
Maria Cristina de Oliveira – Campinas/SP

5º Lugar
Amizade é como agir
presente sem se mostrar,
doando sem exigir,
amando sem revelar.
Abelardo Nogueira – Araçoiaba/CE

Fonte: Maria Luíza Walendowski (coordenadora geral)

Esses adultos

A confirmação de mais um casamento desfeito foi o pronunciamento do divórcio por incompatibilidade de gênios. Da separação permaneceu entre o casal um único elo, uma linda menininha com menos de dezoito meses.

A jovem mulher dispensara a pensão e o auxílio, pois, alta funcionária federal, não precisava de esmolas. Queria mesmo era sua liberdade. Assim sendo, ficou feliz da vida. Ele, por sua vez, herdara a fazenda do pai, no interior, e ia pra lá a fim de administrá-la. Como bons companheiros, apertavam as mãos sem ressentimentos.

A menininha ficou com a mãe, indo morar em Santos, pois Laura para lá havia sido transferida. Daí em diante, cada um levou a vida que pediu a Deus.

Ela encontrou outro príncipe encantado, afinado com o seu jeito de ser, um professor universitário, homem bom, que logo se afeiçoou à menina, que, inocentemente, o chamava de tio Victor.

Pouco mais de dois anos decorridos, a menina ouviu de sua mãe:

– Ana Maria, vá tomar seu banho. Vista roupinha nova, hoje você vai conhecer seu pai, que chegou de viagem.

A menina, com cerca de 4 anos, chega, pela mão da babá, até o pai, que a esperava no carro estacionado em frente ao prédio. Aquele homem elegante, bronzeado, que pela primeira vez via e chamava de pai, logo a cativou. Disse-lhe ele ter vendido a fazenda no interior e que, agora, iria ficar perto da filha, morando na cidade vizinha, São Vicente. Administrava uma firma construtora.

A presença do pai passou a ser uma constante nos fins de semana e isso já durava mais de um ano. Ana Maria estava feliz, ganhava bonecas, revistas, doces e passeios. E com o passar do tempo, mais e mais se apegava ao pai.

Ocorreu-lhe uma ideia. A pessoa de quem mais gostava depois da mãe era, inegavelmente, o pai. Que tal se conseguissem dar um passeio com a mãe e o pai juntos?

Assim ficou atenta, à espera de uma brecha para concretizar seu sonho.

Num dos sábados, ao sair para o passeio, passou pela sala e ouvia a mãe ao telefone:

– É da pizzaria Micheluccio? Gostaria de encomendar uma pizza de atum para viagem. Passo ai para pegá-la por volta das dezenove horas.

Como de costume, o pai perguntou-lhe o que queria fazer.

– Eu gostaria de ir ao cinema ver o filme do Batman e, depois, comer uma pizza de champignon no Micheluccio. Essa pizzaria fica ali na Conselheiro Nébias. Eu adoro a pizza de lá!…

Após o cinema, foram à pizzaria. Saboreada a pizza, a menina, esticando o programa, pediu mais um guaraná e depois uma mouse de chocolate.

O pai observava a filha um tanto inquieta, a indagar as horas várias vezes, sem tirar os olhos da porta.

Foi quando entrou Laura. Ana Maria levantou-se e, pegando a mãe pela mão, levou-a até a mesa onde estava o pai.

– Olá, Gilberto – disse Laura. Estão se divertindo?

Gilberto levantou-se, cumprimentando-a com um aperto de mão.

Ana Maria ficou imóvel.

Laura pediu desculpas pela pressa, pegou a pizza e saiu.

– Que foi querida? A mousse não está boa?

O que Ana Maria acabara de presenciar era muito decepcionante! Fizera de tudo para apresentar seu pai à sua mãe… e eles já se conheciam, sem nunca lhe dizerem nada!

– Esses adultos!…

CLÁUDIO DE CÁPUA

(Revista Santos, Arte e Cultura – Janeiro 2008)