Escritores estrangeiros

Agatha Christie, trabalhou entre 1915 e 1918 em uma farmácia preparando remédios e venenos. Este conhecimento adquirido a ajudou a escrever suas histórias de mistério. A venda de seus livros (passando a casa de um bilhão de cópias) só é superada pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare.

Charles Dickens, quando escreveu em 1843, Um Conto de Natal (A Christmas Carol), foi uma tentativa de saldar dívidas. O “livrinho de Natal”, apelido dado pelo autor, acabou se tornando um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos. Nos primeiros dias, foram comercializadas mais de 6 mil cópias.

As cores

Pintando nossos caminhos

à procura de uma luz
na escuridão da Babilônia
onde a guerra jaz
o poder é ferramenta dos fascistas
As cores vão sinalizando
Os caminhos que estamos trilhando
Os ciclos que terminam e se iniciam
Marcando o peso dos nossos passos sobre a terra,
Que as regras
o tempo está correndo
nesse espaço energético
Quando vai rolar aquela troca sincera?
É a lei do encontro
Não existimos sem uns aos outros
Existe um poço de nós em cada um
Existe um poco de cada um de nós
A mentira é o refúgio quando queremos
nos esconder de nós mesmos
A verdade é um soco na cara
quando nos conhecemos
perceber que não estamos sozinhos
Criam heróis para acreditarmos nas mentiras
Por que existe a competitividade
para nos tornar importantes?
O ego te leva longe e te abandona
Somos o contorno do mundo
Nesse processo precisamos entender e aceitar
Para nos moldar, nos reconectar
com a natureza e os corpos
É quando a gaiola se abre
e a gente aprende a voar
procurando cores
nos dias cinzentos

Livros, maior e menor

Publicado pela editora japonesa Toppan Printing o menor livro do mundo, de apenas 0,75 milímetros, contendo 22 páginas. A obra é “O Camaleão”, do dramaturgo russo Anton Pavlovitch Tchecov.

Nos dias de hoje, o maior é uma edição especial do livro O Pequeno Príncipe com 2 metros de altura por 1,54 metro de largura, totalizando 250 quilos e consomem 450 m2 de papel. O recorde, registrado no Guinness, foi estabelecido na Bienal do Livro do Rio de Janeiro de 2007.

Já o Codex Gigas, também conhecido como a “Bíblia do Diabo“, realmente é o maior livro do mundo, feito no início do século 13 em um monastério na Bohemia. A criação destes livros era um dos trabalhos mais especializados dos monges. Porque e por quem a Bíblia do diabo foi feita, é um mistério até hoje. Conta a lenda que o livro foi escrito por um monge que recebeu a ordem de fazer o livro em uma única noite como forma de escapar da punição por quebrar o código monástico. O monge conseguiu fazê-lo e seu superior mesmo assim o puniu. O monge ficou irado e resolveu pedir ajuda a ninguém menos que Satã.