O vento

Ontem mesmo o vento sussurrou teu nome

E a saudade que já era enorme
Tomou conta de meus pensamentos.
E no desencontro de nossos dias
Nas tristezas e alegrias
Eu recordei nossos melhores momentos.

Ontem mesmo a chuva lavou minha alma
Das verdades que causaram traumas
Dos enredos mais complicados
Das agruras da saudade,
Das mazelas da vaidade,
Dos corações tão despedaçados.

Ontem tudo parecia tão diferente,
Eu me via mais contente,
Em paz com os meus sentimentos
Sem ódio nem rancor,
Sem mágoas ou dissabor
Nenhum pingo de ressentimento.

Então, que nesse novo amanhecer
Tudo enfim possa acontecer
Dentro da maior tranquilidade
Com a marca da paixão,
Com alegria no coração
E com a mais profunda honestidade.

MOACIR DINIZ

Tantos versos

E foram tantos os versos que escrevi,
que quando dei por mim
eu estava tropeçando nas letras falíveis,
nas palavras sem sentido,
nos versos descabidos,
no antagonismo desesperado
deste amor tão superado.
E foram tantos versos que escrevi
no sentido oposto deste amor,
que hoje entreolho tuas feições
a ponto de me questionar,
porque não os fiz tão diretos,
não me fiz entender de supetão.
Foram tantos os versos que escrevi
que nem sei se você os leu
ou se chegou a marejar-lhe os olhos
quando num átimo de mim
você pode me perceber em ti.

Sobre o amor

Tente entender,
Não há versões nem aversões definitivas,
Talvez, reações intempestivas
De alguém que já sofreu por amor.
Não há respostas explicativas,
Nem perguntas proibidas
Para quem já sofreu por amor.

Tente compreender
Toda alma já tem traçado o seu caminho,
Toda rosa, por mais bonita, tem espinhos,
Todo mundo já sofreu por amor.
Existe alguém na espera de seu carinho,
Além do muro pode haver algum vizinho
Que espera encontrar um grande amor.

Tente aprender
Definitivamente e da forma mais precisa,
Que na realidade a felicidade se localiza
No coração de quem entendeu o que é o amor.
E que a saudade, chega tempestade e parte brisa,
E um coração por mais ferido cicatriza
Quando, enfim, fica repleto de amor.