Escritoras(es)

Agatha Christie, autora mais traduzida no mundo, trabalhou entre 1915 e 1918 em uma farmácia preparando remédios e venenos. Este conhecimento adquirido a ajudou a escrever suas histórias de mistério. A venda de seus livros (passando a casa de um bilhão de cópias) só é superada pela Bíblia e pelas obras de Shakespeare.

Carlos Drummond de Andrade ao 17 anos foi expulso do Colégio Anchieta, em Nova Friburgo (RJ), depois de um desentendimento com o professor de português e a justificativa dada foi insubordinação mental. Também teve sua imagem estampada na nota de 50 cruzados novo.

Cecília Meireles teve sua vida marcada por tragédias desde cedo. Perdeu o pai antes de nascer e a mãe aos três anos. Casada e com 3 filhas, perdeu o marido por suicídio. Já aos nove anos recebeu seu primeiro prêmio como escritora das mãos de Olavo Bilac. Em 1934 foi a Portugal para uma série de palestras, marcando um encontro com o escritor Fernando Pessoa em um café. Após esperar por horas, volta ao hotel onde tinha um bilhete do escritor dizendo que não fora ao encontro por sugestão do horóscopo matinal.

Charles Dickens, quando escreveu em 1843, Um Conto de Natal (A Christmas Carol), foi uma tentativa de saldar dívidas. O “livrinho de Natal”, apelido dado pelo autor, acabou se tornando um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos. Nos primeiros dias, foram comercializadas mais de 6 mil cópias.

João Guimarães Rosa percorreu vários estados brasileiros anotando expressões populares e peculiaridades de cada região. Como diplomata, ele protegeu e facilitou a fuga de judeus perseguidos pelo nazismo, sendo homenageado por Israel em 1985. Em 1963, foi eleito para a Academia Brasileira de Letras, adiando a posse por quatro anos, pois achava que iria morrer logo depois. Assumiu em 1967, e morreu três dias após tomar posse.